Arquivo | Chico Xavier RSS feed for this section

Nem Jesus…

20 out

“Nem Jesus Cristo, quando veio à Terra, se propôs resolver o problema particular de alguém. Ele se limitou a nos ensinar o caminho, que necessitamos palmilhar por nós mesmos.”

Chico Xavier

 

Excelente dia! E exijam menos de vcs…

Frases Chico Xavier

5 out

A ÁGUA DA PAZ – Chico Xavier

28 set

Em torno da mediunidade, improvisam-se, ao redor do Chico, acesas discussões.

É, não é. Viu, não viu.

E o médium sofria, por vezes, longas irritações, a fim de explicar sem ser compreendido.

Por isso, à hora da prece, achava-se quase sempre, desanimado e aflito.

Certa feita, o Espírito de Dona Maria João de Deus compareceu e aconselhou-lhe:

— Meu filho, para curar essas inquietações você deve usar a Água da Paz.

O Médium, satisfeito, procurou o medicamento em todas as farmácias de Pedro Leopoldo.

Não o encontrou. Recorreu a Belo Horizonte. Nada.

Ao fim de duas semanas, comunicou à progenitora desencarnada o fracasso da busca.

Dona Maria sorriu e informou:

— Não precisa viajar em semelhante procura. Você poderá obter o remédio em casa mesmo. A Água da Paz pode ser a água do pote. Quando alguém lhe trouxer provocações com a palavra, beba um pouco de água pura e conserve-a na boca. Não a lance fora, nem a engula. Enquanto perdurar a tentação de responder, guarde a água da paz, banhando a língua.

O Médium baixou, então, os olhos, desapontado.

Compreendera que a mãezinha lhe chamava o espírito à lição da

humildade e do silêncio.

Texto extraído do Livro “Lindos Casos – Chico Xavier”

Decálogo Para Estudos Evangélicos

19 jul
DECÁLOGO PARA ESTUDOS EVANGÉLICOS
Na noite de 21 de março de 1952, no “Centro Espírita LUIZ GONZAGA”, em Pedro Leopoldo, discutia-se sobre a melhor maneira de orientar a pregação espírita cristã, quando André Luiz externou-se acerca do assunto, com a seguinte página:
DECÁLOGO PARA ESTUDOS EVANGÉLICOS:
1 — Peça a inspiração divina e escolha o tema evangélico destinado aos estudos e comentários da noite.
2 — Não fuja ao espírito do texto lido.
3 — Fale com naturalidade.
4 — Não critique, a fim de que a sua palavra possa construir para o bem.
5 — Não pronuncie palavras reprováveis ou inoportunas, suscetíveis de criar imagens mentais de tristeza, ironia, revolta ou desconfiança.
6 — Não faça leitura, em voz alta, além de cinco minutos, para não cansar os ouvintes.
7 — Converse ajudando aos companheiros, usando caridade e Compreensão.
8 — Não faça comparações, a fim de que seu verbo não venha ferir alguém.
9 — Guarde tolerância e ponderação.
10 — Não tenha indefinidamente a palavra; outros companheiros precisam falar na sementeira do Bem.
ANDRÉ LUIZ
Cremos que esta pequena Mensagem oferece interessantes apontamentos, dando-nos o que pensar.
Lindos Casos, Chico Xavier

As Aparências Enganam – Chico Xavier

1 jul

Texto extraído do livro “Lindos Casos de Chico Xavier”

AS APARÊNCIAS ENGANAM
Alguns companheiros conversavam furiosamente, em Pedro Leopoldo, sobre certo político.
“A coisa devia ser assim.”
“Devia ser de certo modo.”
“O homem era a perversidade em pessoa.”
“Prometera isso e fizera aquilo.”
Um dos irmãos dirigiu-se ao Médium e perguntou:
— Que diz você, Chico? Temos alguma referência dos Amigos Espirituais sobre o caso?
O interpelado pretendia responder, mas no justo momento, em que ia emitir a sua opinião, ouviu a voz de Emmanuel sussurrar-lhe, segura, aos ouvidos:
— Cale a sua boca. Você nada tem a ver com isso.
O Médium ruborizou-se e o grupo, em torno, verificou que o Chico não conseguia responder, apesar do desejo de externar-se.
Alguém ponderou que ele deveria estar mal e rodearam-no, em oração, dando-lhe passes.
A reunião dispersou-se.
Não foram poucos os que, estranhando o caso, afirmaram em surdina que o Chico parecia francamente um pobre obsidiado.
Mas o fato é que a sombra da maledicência não lhe penetrou o espírito e nem lhe prejudicou, por isto, o clima de elevação, fruto de jejum e oração, em que deve viver, em que vive.
Caso digno de ser seguido por todos que zelam pela vitória de seu dia,

policiando o que lhes sai dos lábios…
 
 
(clique na foto de Chico Xavier e veja o site de livros espíritas clássicos disponibilizados em .pdf)
 
Abraços!

A História da Chave – Lindos Casos Chico Xavier

24 jun
A HISTÓRIA DA CHAVE
Com a saída do chefe da casa e dos filhos mais velhos para o trabalho e
com a ausência das crianças na escola, Dona Cidália era obrigada, por vezes,
a deixar a casa, a sós, porque devia buscar lenha, à distância.
Aí começou uma dificuldade.
Certa vizinha, vendo a casa fechada, ia ao quintal e colhia as verduras.
A madrasta bondosa preocupou-se.
Sem verduras não haveria dinheiro para o serviço escolar.
Dona Cidália observou… Observou…
E ficou sabendo que lhes subtraía os recursos da horta; entretanto,
repugnava-lhe a idéia de ofender uma pessoa amiga por causa de repolhos e
alfaces.
Chamou, então, o Chico e lembrou.
— Meu filho, você diz que, às vezes, encontra o Espírito de Dona Maria.
Peça-lhe um conselho. Nossa horta está desaparecendo e, sem ela, como
sustentar o serviço da escola?
Chico procurou o quintal à tardinha e rezou e, como das outras vezes, a
mãezinha apareceu.
O menino contou-lhe o que se passava e pediu-lhe socorro.
D. Maria então lhe disse:
— Você diga à Cidália que realmente não devemos brigar com os vizinhos
que são sempre pessoas de quem necessitamos. Será então aconselhável que
ela dê a chave da casa à amiga que vem talando a horta, sempre que precise
ausentar-se, porque, desse modo a vizinha, ao invés de prejudicar os legumes,
nos ajudará a tomar conta deles.
Dona Cidália achou o conselho excelente e cumpriu a determinação.
Foi assim que a vizinha não mais tocou nas hortaliças, porque passou a
responsabilizar-se pela casa inteira.
 
 
Lindos Casos
Chico Xavier

CAPÍTULO XIX

11 maio

A fé sincera e verdadeira é sempre calma; faculta a paciência que sabe esperar, porque, tendo seu ponto de apoio na inteligência e na compreensão das coisas, tem a certeza de chegar ao objetivo visado. A fé vacilante sente a sua própria fraqueza; quando a estimula o interesse, toma-se furibunda e julga suprir, com a violência, a força que lhe falece. A calma na luta é sempre um sinal de força e de confiança; a violência, ao contrário, denota fraqueza e dúvida de si mesmo.

Já estou recorrendo ao evangelo pra me dar paciência!
Tomara que funcione, rs

%d blogueiros gostam disto: